quarta-feira, 14 de julho de 2010

Porquinho-da-índia

O porquinho-da-índia é um roedor. O nome não é de fácil compreensão, já que não é um porco nem vem da índia. Pensa-se que o nome tenha sido criado por serem animais trazidos pelo comércio da altura. O nome "porquinho" provavelmente foi dado devido ao seu porte e estatura, pequenos de patas curtas que estão a comer constantemente e a emitir aqueles seus sons característicos. Espero que goste desta publicação. Caso tenha alguma dúvida coloque-a nos comentários. Obrigada

Porquinho-da-índia

Características


O porquinho-da-índia é um animal que vive bem em cativeiro, se tiver as condições necessárias. Quanto mais pequeno, mais fácil é a sua adaptação ao dono e à sua nova casa. É um animal que raramente morde, só se se sentir realmente ameaçado, mas por isso mesmo, é necessário conhecê-lo bem, para perceber quando se está a sentir incomodado e deixá-lo em paz. É um roedor que, normalmente, não é um bom "saltador" nem aprecia "escaladas", por isso pode ser criado em gaiolas abertas na parte superior se não existirem mais animais em casa que possam incomodá-lo. Um Porquinho-da-índia macho chega a pesar entre 1 e 1,2 kg e a medir 25 cm quando adulto. Já as fêmeas são mais leves, com aproximadamente 20 cm de comprimento e entre 800 e 900g de peso.

O seu sentido mais apurado é a audição, muito mais apurada que a nossa. A visão desenvolveu-se de forma a destinguir bem os movimentos rápidos, já que as aves são uns dos seus principais predadores. O cheiro varia de porquinho para porquinho, enquanto uns conseguem cheirar à distância um bocadinho de legumes, outros nem debaixo do nariz distinguem o cheiro.
São animais com patas muito pequenas em comparação ao seu longo e redondo corpo, o que permite manter uma óptima estabilidade e agilidade quando têm de correr.
Os porquinhos convivem bem em colónias, segundo certas regras. Se decidir ter apenas fêmeas, poderá ter quantas achar bem segundo o espaço e disponibilidade que tem para elas. Quando decide ter machos, é melhor ficar apenas pelos dois. Grupos mistos podem conviver pacificamente, desde que a quantidade de machos adultos seja pequena. As fêmeas novas normalmente podem ser introduzidas à vontade, embora debaixo de olho, não vão surgir brigas entre elas. Já os machos que chegam de fora muito provavelmente vão ser hostilizados. Se um jovem macho for criado com outro desde pequeno na mesma gaiola, em príncipio serão bons amigos. No entanto, se os dois forem separados e reintroduzidos na mesma gaiola, cuidado, principalmente se tiveram ou têm contacto com fêmeas, pois podem brigar até à morte.
O tempo máximo de vida é de 7 anos (em Portugal, 3 a 4 anos), e o tempo mínimo de vida é de 4 anos. A idade recomendada para o 1º acasalamento nos machos é 3 a 4 meses, e nas férias é de 3 a 7 meses (jamais depois de 7 meses!). Podem nascer vários filhos, podem ir de 1 a 6, mas em média vai entre 2 a 3.

Como Animal de Estimação

Os porquinhos quando são criados em grupos pequenos de dois ou três animais são excelentes companheiros. Ficam muito amigos do dono e pelo seu bom temperamento, sociabilidade, não agressividade e facilidade de manejo, é considerado uma boa opção como animal de estimação para crianças (sempre sob vigilância). Comparado a outros roedores e animais de pequeno porte, tem as vantagens de ser mais lento, relativamente fácil de ser apanhado e ao mesmo tempo mais difícil de se esconder. Embora apreciem uma "soneca" durante o dia, os porquinhos estão sempre dispostos a um passeio ou a uma brincadeira, dormindo depois à noite. Qualquer dono de porquinhos poderá dizer porque gosta tanto deles, dos seus gritinhos a pedir comida em bicos de pés, do seu focinho lindo, da sua meiguice, etc, só quem tem e realmente gosta deles e se dedica a eles, recebe em troca tudo de bom que eles têm para dar!

Se já tiver cães ou gatos em casa, estes sentem a casa como sendo deles e devem ser gradualmente apresentados aos porquinhos recém chegados. Dê ainda mais atenção ao seu gato ou cão do que o costume e devagarinho vá deixando ele cheirar o porquinho no seu colo. Nunca deixe os porquinhos soltos sozinhos com um cão ou um gato, ou outro animal de estimação.

Os porquinhos expressam tudo o que sentem vocalmente e corporalmente: medo, agressividade, contentamento, fome, etc. Se prestar bem atenção aos sons e movimentos dos seus porquinhos, em pouco tempo já os compreende e conhece muito bem e às suas necessidades.

O que se deve lembrar ao querer ter um porquinho


Quando for comprar o seu porquinho-da-índia, certifique-se de que ele está saudável e procure por sinais de doença tais como: diarreia, pêlo eriçado e opaco, piolhos, zonas sem pêlo e olhos lacrimejantes. Não compre um animal se desconfiar que esteja doente. Enquanto que quando se escolhe um cachorro, escolhemos normalmente aquele que é mais meigo e que vem logo ter connosco, com os porquinhos deve ser exactamente oposto. O porquinho bebé mais saudável é exactamente aquele que mais rapidamente foge, mostrando um sistema nervoso activo e atento e uma boa forma física. Depois pegue no porquinho e passe com um dedo pelo seu pêlo, no sentido contrário ao crescimento, verificando se encontra alguma caspa ou zonas sem pêlo que poderão indicar parasitas ou fungos. Certifique-se em seguida se não existem dentes partidos ou soltos, que o nariz está seco, os olhos brilhantes e que os seus movimentos são vigorosos. Tenha também a certeza de que o porquinho é mesmo do sexo que deseja adquirir e que, no caso de uma fêmea, ela não se encontra grávida (o local onde vai ter os machos separados das fêmeas é muito importante). O mais seguro é ir buscar um animal directamente a um criador de confiança.

Procure também por animais jovens, já que são mais facilmente habituados aos donos e não têm já talvez alguns medos antigos.
Se juntar um macho adulto com um macho bebé, providencie ao porquinho bebé um esconderijo no qual apenas ele consiga entrar, porque o macho adulto vai tentar acasalar com o bebé e este precisa de um espaço para se esconder. Um casal não é muito aconselhável, principalmente a quem não tem ainda experiência com estes animais, já vamos ver porquê.

Deve-se intervir quando está para se dar um ataque entre porquinhos, normalmente eles levantam a cabeça no ar e mostram os dentes ao adversário, começam a bater os dentes e a chegarem-se para trás para arranjarem espaço para o ataque. É neste momento que deve atirar uma toalha para cima deles ou de um deles e tirá-lo da gaiola, separá-los antes de um ataque. Não intervenha antes, normalmente um deles ou ambos páram antes de avançar para este nível, é um normal decidir de hierarquias que tem de ser estabelecido entre eles. Se alguma vez chegar mesmo a haver briga, separe-os e nunca mais os junte, porque vai-se repetir novamente e o resultado pode ser bem pior!


Temperatura

O local onde vai colocar a gaiola do porquinho deve ser arejado, mas sem correntes de ar, sem humidade e sem incidência directa do sol, que podem ser factores fatais.

Os Porquinhos-da-índia são muito sensíveis ao calor e ao frio, morrem quando a temperatura atinge os -2ºC e o calor pode provocar ataques cardíacos fatais. No tempo de muito calor, é aconselhável colocar uma ventoinha fraquinha e soprar por cima da gaiola (não sobre a gaiola), colocar uma garrafa de água congelada bem enrolada numa toalha dentro da gaiola, para se poderem encostar. No tempo de frio, devem ter uma casinha onde possam aninhar juntinhos e pode mesmo comprar ou fazer uma mantinha para eles se deitarem quentinhos.
No Inverno não os coloque junto a aquecedores ou lareiras, pois podem morrer de ataque cardíaco devido ao calor excessivo. Em temperaturas muito baixas, é preciso ter em consideração, em caso de os colocar ao ar livre, de estes estarem protegidos do vento e da chuva e que tenham uma casinha por perto onde se possam aquecer.

Sem comentários:

Enviar um comentário